terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Allerleirauh by Chantal Gadoury

Allerleirauh

Resultado de imagem para Allerleirauh by Chantal Gadoury
Author: Chantal Gadoury
Publisher: Parliament House Press
ISBN: 978-1537868608

Goodreads badge add plus
Once Upon a Time… In the kingdom of Tranen, a king makes a promise to his dying wife that he'll only remarry a woman who possesses her golden hair. In time, the king's eyes are turned by his daughter. Realizing her father’s intentions, Princess Aurelia tries to trick him by requesting impossible gifts: dresses created by the sun, moon and stars, and a coat made of a thousand furs. But when he is successful, Aurelia sacrifices her privileged life and flees her kingdom, disguised by the cloak and a new name, Allerleirauh.
She enters the safe haven of Saarland der Licht, where the handsome and gentle Prince Klaus takes her under his care. Hoping not to be discovered by her father’s courtiers, Allerleirauh tries to remain hidden under her new identity when she finds unexpected love with Prince Klaus, even though his arranged marriage to the princess of a neighboring kingdom approaches. Risking everything, Allerleirauh must face her troubled past and her fears of the future along her journey to self-acceptance in this triumphant retelling of the classic Grimm Fairy Tale.


Excerpt from “Allerleirauh” 

“If you ever decide to remarry, you must marry someone who has my golden hair.”

The words echoed in my ears as my mother murmured them to my father. The entire court had gathered there with us in that darkened room with stone walls covered in old tapestries of red and golden threads, watchful eyes of men and women looming over us from the walls.

My mother, the Königin, the queen of Tränen, was dying.

Servants had lit candles across the room, creating a gloomy, death-like ambiance. The only source of light came from the flames, curling out like a snake’s tongue from the fireplace. Many of my father’s councilmen stood murmuring while they waited for the queen’s end to come. They waited for death’s dark cloak to wrap around her like the cape of the goddess, Nótt.

Mother lay in her bed, her form still as her breaths became shallower; her lungs becoming less full of air. Her hair, like spools of golden thread, clung to her pale skin. My father’s hand brushed over her forehead, pushing the strands away. She lifted her hand, touching his, seeking an answer from him.

The contrast of her skin against his was shocking. She was pale—corpse-like, the tips of her fingers already turning a frosty shade of blue. My father kneeled, dressed in a white tunic and tan hunting trousers. His light brown beard seemed thicker than usual. His tired blue eyes, the same eyes that others often commented reflected my own, gazed upon my mother.

He was a handsome man for other women to admire.

He carefully grazed his lips over her knuckles. I could hear his soft murmuring.

“My wife. My poor, lovely Frau.” There had been talk that he had been by her bedside for majority of the night and all through the morning, while I had been kept in my chamber. I was to wait until the end was nearly at an impasse before I was to bid my mother farewell. He had waited upon her on bended knee. It was an unexpected display of affection. My father had never been the affectionate sort, and especially never with me in all my nineteen years.

His gaze drifted toward the line of young maids surrounding the queen’s bedside, all waiting for an order or request. He lifted a hand and beckoned one of them closer. With reddened cheeks, one of the maids took a step toward the bed, offering a warm, wet rag for my mother’s forehead.

My father’s eyes seemed to taunt the maid to come closer as they glittered in the candlelight, a small, amused smirk on his lips as he held out his hand. He knew his effect on women, as did my mother. My father seemed to have always found a strange delight in tantalizing the young women of the court right under my mother’s nose–especially the young maids of the castle. His wandering hands had been an unacknowledged topic between them, and yet had most haunted my mother in her own private chambers.

As I was guided away from my tutoring lessons earlier in the afternoon, I found many of my father’s councilmen murmuring in the hallways. Their conversation had rattled me as they spoke of the queen’s declining health, proclaiming quite loudly their uncertainty of the future of the Königreich, the kingdom. With no male heir, there would be no one with my father’s bloodline to carry the crown. If he were to die, the succession would be uncertain, leaving the kingdom without a König, and I would be left with nothing. There were a few young girls my father had bedded over the many years of his rule, all of whom had come to his knees, begging for acknowledgement, money, or a future for their child. Many of the children were male, all of which my father craved to take under his wing. But as the string of his lovers began to unravel before my mother, she’d quickly banished them and their children from our courts.

“Any male that is not born from me will never be König,” she insisted. My mother feared of finding herself replaced by a younger, more beautiful woman, who would give the king something she could not . . .

A son.

I had been told my mother looked to my father with apologetic grey eyes on the day of my birth. The wet nurse had lifted me, the accursed girlish bundle into the arms of my father as my mother promised, “A son I will give you next time.”

As I grew older, I could see the desperation in her eyes as my father drifted from maiden to maiden, leaving a trail of bastard children in his wake. All while she remained infertile.

As a girl, I was no use to my father. Without a son, the marriage with my mother would always be a failure in the eyes of his court. Because I had not been born a boy, I rarely saw my father. I was only granted permission on special occasions.

My mother hardly paid attention to me either; I was a constant reminder of her failure, her misery, her curse. I had only been permitted to receive an education in writing and reading, and brief history lessons about the kingdom and surrounding countries. I excelled in learning and did what I could to avoid all the other womanly lessons I was expected to learn. I hated the mundane tasks that were deemed appropriate for the fairer sex. My mother did everything she could to keep me tucked away in the castle, out of sight. I was never permitted to join the court for festivities. My mother preferred me to stay in my room or the library, like the castle’s ghost. She wished to pretend I didn’t exist. As my youth began to pass before me, I wondered if I would spend the remainder of my years hidden away behind the stony walls of my father’s castle. I wondered whether, if my mother finally had a son for the king, somehow his birth would release me from the prison which cradled me in my own home.

“Promise me,” my mother hissed at my father presently, as she grabbed his hand. She pushed herself up in the bed with a grunt, to look at him more closely.

I watched them as I clung to the red velvet bed drapes. I could feel myself grow light-headed from the warmth in the room and the array of eyes and voices behind me as they murmured their fears and prayers.

“Promise me,” she begged, her voice cracking as he tucked another golden curl behind her ear. “She must have golden hair, like mine.”

As I watched her glossy strands circled around his fingers, I touched my own loosened curl. My hair was tied back with a black ribbon to match the black gown that Myriah, my nursemaid, dressed me in—a symbol of mourning. And yet, I felt nothing like how a daughter should feel while watching her own mother die.

Perhaps my mother thought her eager demand would bring her peace in the grave. I understood. If she could not be a proper wife, who’d brought him honor with a prince, perhaps her golden-haired replacement could be. Fear surged cold through my hollow ribs as her last breath slipped between her lips, her hand slowly falling from my father’s firm grasp.

A cold shiver ran up my spine as I heard my father’s reply.

“I promise.”

His gaze lifted to me in the quiet moments after. I was my mother’s reflection and her only true legacy. And I knew the king’s promise would become my curse.

Find Out About Other Books by Chantal Gadoury at 

About the Author

Amazon Best Selling Author, Chantal Gadoury, is a 2011 graduate from Susquehanna University with a Bachelor’s Degree in Creative Writing. Since graduation, she has published "The Songs in Our Hearts" with 48Fourteen Publishing, and “Allerleirauh” with Parliament House Press, with future titles to follow. Chantal first started writing stories at the age of seven and continues with that love of writing today. Writing novels for Chantal has become a life-long dream come true! When she’s not writing, she enjoys painting, drinking lots of DD Iced Coffee, and watching Disney classics. Chantal lives in Muncy, Pennsylvania with her Mom, Sister and furry-‘brother’ (aka, puppy) Taran.

Contact Links


Purchase Links

Allerleirauh

The Songs in Our Hearts

Between the Sea and Stars

The Songs We Remember

Winter Dream

Blinding Night

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

A Maiden's Honor by Josanna Thompson

A Maiden's Honor by Josanna Thompson

Title: A Maiden's Honor
Author: Josanna Thompson
Publisher: Inkwell Books, LLC
Pages: 532 pages (according to Goodreads)
Synopsis: «Sarah Campbell is a rarity among women in her time. Unaware of her stunning beauty or of the standard notions of propriety, she is sweetly and dangerously innocent and woefully unprepared for the complex world that is suddenly thrust upon her. Raised by her Scottish father and the natives of a remote island in the South Pacific, Sarah embarks upon a perilous and epic journey that will entwine her life with a Barbary Coast pirate captain named Hassan, who is more than what he seems, the Dey of Algiers, and the Dey’s harem of women, who all find her more interesting than she knows.
Will Sarah lose her life, her freedom, and her heart as she struggles to adapt to the new world that both entices and terrifies her?
A Maiden’s Honor is the first book of The Woman from Eden series.»



Josanna Thompson is the author of A Maiden's Honor and The Woman from Eden series. She has lived in many different places in the United States, including the Southeast, the Midwest, California, and the Northeast. When she is not writing; she enjoys traveling, exploring, and scuba diving.
She currently lives with her husband in New England.

Guys, honestly, this author is super sweet. Go check out her links:


Doesn't the plot sounds amazing? I think so, and I was lucky enough to get a copy to review. This means that, really soon, I will be able to tell you guys everything I loved about this book, and I'm really excited. Meanwhile, go check out a review about the book here (trust me, it will make you want to read it even more!) or read the first chapter here.

An amazing read.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Boss - Opinião (Book Review)


If you can't read this in english, please click on the title of the post and try again

 Ler em Português      Read in English

O Boss

Nome do livro: O Boss
Nome original do livro: Bossman
Nome da Autora: Vi Keeland
Editora: Topseller
Número de páginas: 316 páginas
Sinopse: «Quando o teu patrão é convencido, mas sedutor, arrogante, mas sensual, irritante, mas irresistível, o resultado só pode ser um... horas extra... ordinárias.
Estás no primeiro encontro com um homem para lá de aborrecido. O que é que fazes? Finges ir à casa de banho, ligas à tua amiga e pedes-lhe que te ligue de volta, fingindo uma emergência que te tire dali, certo? Foi o que fiz. Até porque era mesmo uma emergência… Mas um desconhecido ouviu a conversa, chamou-me pretensiosa e teve o atrevimento de me dar conselhos! Respondi-lhe que se metesse na sua vida — na sua vida de homem alto, musculado, lindo de morrer e irritantemente convencido — e voltei para a minha mesa deprimente.
De onde estava, não pude deixar de olhar para ele, acompanhado por uma loira bombástica. Típico! Quando me apanhou a olhar, piscou-me o olho, levantou-se com a sua bimba e dirigiu-se à minha mesa. Pensei que fosse denunciar-me, mas, em vez disso, fingiu que nos conhecíamos, juntou-se a nós, e partilhou histórias mirabolantes sobre um passado fictício entre nós... Tenho de confessar que o meu encontro passou de chato a estranhamente excitante.
Quando a noite acabou, não parei de pensar nele, mesmo sabendo que nunca mais o veria. Afinal, quais seriam as probabilidades de voltar a encontrá-lo numa cidade com oito milhões de pessoas? Quais seriam as probabilidades de, um mês depois, ele vir a ser o meu novo Boss?»

O Boss foi a minha estreia com esta incrível autora e foi, sem dúvida, uma muito boa. 
O livro começa com a personagem principal, Reese, a ligar à sua melhor amiga da casa de banho, durante um encontro às cegas desastroso, para esta a salvar. No entanto, enquanto tenta pedir ajuda à sua melhor amiga, um desconhecido ouve a sua conversa e acaba a criticá-la pelo que ela está a fazer. Quando volta para a sua mesa, o homem que conheceu na casa de banho aproxima-se com o seu par e apresenta-se como amigo de infância de Reese, acabando por se sentar na mesa deles e passar o resto da noite a relembrar momentos de infância dos dois... que nunca aconteceram. É assim que Reese conhece Chase. Uns tempos acabam por passar e, numa entrevista de emprego, ela acaba a dar de caras com aquele que viria a ser o seu futuro patrão, Chase Parker, o seu falso amigo de infância.
Fonte do fundo
Pela premissa, já dá para perceber que o início tinha tudo para ser extremamente engraçado e, sem dúvida nenhuma, não desiludiu, uma vez que eu comecei o livro já a rir em voz alta com a intervenção e a ousadia do Chase.
No entanto, a premissa do livro é tão simples que acaba por não dar para dizer muita coisa sem ser considerada spoilers. 
Relativamente às personagens, apesar de haver momentos em que me irritam, especialmente mais para o final, adorei ambas as principais, principalmente o Chase e a sua falta de vergonha. Já a Reese também é uma boa personagem mas não se consegue destacar tanto.
A partir deste início, esperava que a história se desenrolasse de uma determinada maneira, o que vai acontecer na sua grande maioria, havendo, no entanto, alguns momentos em que a autora acaba mesmo por surpreender o leitor. 
Além destas reviravoltas, o livro flui extremamente bem e eu acabei-o apenas num dia porque não o conseguia pousar de tão bom que ele é. 
Apesar do final não ter nada de surpreendente, foi tal e qual como eu queria e eu adorei-o. 
Relativamente à edição portuguesa, desafio-vos a conseguir ler em publico sem que as pessoas olhem, no entanto, até que gosto da capa. Temos é alguns erros no texto que espero que a editora acabe por corrigir se lançarem uma segunda edição. 
Em geral, O Boss não é um livro completamente novo ou surpreendente, no entanto, a forma como foi escrito e desenvolvido levou a que eu amasse este livro do fundo do meu coração. E é, sem dúvida nenhuma, um livro incrível e rápido de se ler. Recomendo muito. 
Boas leituras.
(5 em 5 estrelas)

«Há uma linha ténue entre a genialidade e a loucura» - Página 41 
«Por vezes não sabemos o que nos faz falta até o descobrirmos.» - Página 92 
«O medo não detém a morte, mas sim a vida.» - Página 163

The Unexpected Everything - Opinião (Book Review)


If you can't read this in english, please click on the title of the post and try again

 Ler em Português      Read in English

The Unexpected Everything

Nome do livro: The Unexpected Everything
(Sem edição em português)
Nome da Autora: Morgan Matson
Editora: Simon & Schuster
Número de páginas: 519 páginas
Sinopse: «Andie had it all planned out. When you are a politician’s daughter who’s pretty much raised yourself, you learn everything can be planned or spun, or both. Especially your future. Important internship? Check. Amazing friends? Check. Guys? Check (as long as we’re talking no more than three weeks).
But that was before the scandal. Before having to be in the same house with her dad. Before walking an insane number of dogs. That was before Clark and those few months that might change her whole life. Because here’s the thing—if everything’s planned out, you can never find the unexpected. And where’s the fun in that? »

Fiquei a conhecer este livro e esta autora através do booktube internacional e tenho realmente pena de as editoras portuguesas não apostarem nesta autora. 
O livro acompanha Andie, a filha de um político famoso, que um dia vê a sua vida virar completamente devido a um escândalo em que o seu pai se acaba por envolver. Como resultado disso, ela acaba por perder o seu conceituado estágio de verão, o que a leva, da forma mais engraçada possível, a passear cães. 
A premissa do livro é exatamente o que acontece. Não temos grandes reviravoltas nem mistérios, no entanto, a história está tão bem construída que esse tipo de intervenções só iriam arruinar o livro. 
Relativamente às personagens, devo dizer que adorei todas. São extremamente bem construídas, complexas e realistas. Assim como as relações entre elas o são, o que foi um grande ponto a favor do livro, sendo que nos é apresentada uma amizade extremamente forte e que nos proporciona momentos muito engraçados. O único momento que acabou por me irritar um bocado foi mesmo o facto de que a Andie nem sempre diz o que verdadeiramente pensa e acaba por arranjar problemas com isso. Já a relação que vai surgindo entre ela e o pai vai-se desenvolvendo de uma maneira muito boa.
Além disso, temos, obviamente, os romances mais fofos possíveis. 
Sendo a premissa algo tão simples e este um livro tão grande, como podem perceber, as coisas vão acabar por se ir desenrolando com calma, o que também foi um ponto bastante favorável uma vez que aqui se lida com tópicos complexos, ou seja, a autora dá-se tempo às personagens de se aproximarem e de terem a certeza do que sentem.
Também por este motivo referido anteriormente, não há muito mais que possa dizer do livro que não seja spoilers.  
Relativamente à questão mais estética, além da linda capa (não apenas desta edição mas de todas as que foram lançadas deste livro), tenho de realçar o facto de que quando as pessoas do livro conversam por mensagens, aparece verdadeiramente os balões de mensagem que aparece nos telemóveis e os emojis, o que dá um efeito ainda mais realista à história. 
Quanto ao final, e apesar de nem todas as personagens terem recebido o fim que eu gostava, eu adorei e vou, sem dúvida nenhuma, ler outro livro da autora no futuro. 
Assim sendo, obviamente que recomendo. 
Boas leituras. 
(4.5 em 5 estrelas)

«That is where you are mistaken. Believing that such a thing - just a kiss - has ever, for even a second, existed in this world.» - Página 265
«"Oh," the old man said, with a sigh that seemed to come from the depths of his being. "I forget you’re still young yet." He coughed then, a dry, rattling sound. "Sometimes we get a little bit of a facade. We think we have people. Family, friends . . . but in the end, it’s just you and the darkness. Everyone leaves eventually, my young friend. It’s better, really, to learn it early. This way, you can save yourself some disappointment." He sighed then and slumped back against the wall once more. "Because believing you’re not alone is the cruelest trick of all."» - Página 435

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

3ª Maratona 12h + 12h (Em conjunto com o blog Mermaid Reader e @annesophie99)


Como tem corrido tão bem estas maratonas, eu e a Mermaid Reader combinámos fazer mais uma entre o Natal e o Ano Novo e acabamos por ter mais uma participante desta vez, a incrível @annesophie99. Como das outras vezes, a maratona decorre ao longo de dois dias (27 e 28 de Dezembro), onde lemos durante 12 horas em cada dia. Os meus updates são os que se encontram em baixo e não se esqueçam ainda de passar no post da Mermaid Reader. O meu principal objetivo desta vez é mesmo o de conseguir terminar os meus livros já iniciados, assim sendo, os livros que tenho em mente pegar são os seguintes: 
  • (Já iniciado) Um Conto de Natal do Charles Dickens ✓
  • (Já iniciado) Mr. Diry da Nana Malone ✓
  • (Já iniciado) O Jogador do Dostoievski ✓
  • Quando Éramos Mentirosos de E. Lockhart ✓
  • (Já iniciado) Can You Keep a Secret? da Sophie Kinsella


Assim sendo, começámos a maratona às 10h do dia 27/12/2017 e o resultado ao longo do dia foi os seguinte:
Livro 1 - Um Conto de Natal do Charles Dickens e livro 2 - Mr. Diry da Nana Malone
10:00h - 12:00h → Cheguei à página 136 (50 páginas) de um Conto de Natal, chegando assim ao final. De seguida, peguei no Mr. Dirty, onde já tinha chegado à página 160, e li até à página 175 (15 páginas). 
Páginas lidas até ao momento: 65
Livros terminados: 1
12:00h - 14:00h → Cheguei à página 233 (58 páginas) de Mr. Dirty. 
Páginas lidas até ao momento: 123
Livros terminados: 1
14:00h - 16:00h → Infelizmente, durante estas duas horas, por motivos pessoas tive de me ausentar da maratona, acabando por não ler nada. 
Páginas lidas até ao momento: 123
Livros terminados: 1
Livro 3 - O Jogador do Dostoievski 
16:00h - 18:00h → Cheguei à página 250 (17 páginas) terminando assim Mr. Dirty e continuando O Jogador, que estava já na página 71, sendo que cheguei à 80 (9 páginas). 
Páginas lidas até ao momento: 149
Livros terminados: 2
18:00h - 20:00h → Cheguei à página 147 (67 páginas)
Páginas lidas até ao momento: 216
Livros terminados: 2
20:00h - 22:00h → Cheguei à página 215 (68 páginas), terminando assim o livro O Jogador e o meu primeiro dia da maratona. 
Páginas lidas até ao momento: 284
Livros terminados: 3

Tendo em conta que tive de fazer uma pausa de cerca de 2h30/3h durante a maratona, até estou bastante feliz com o resultado, além de ter conseguido terminar três livros já iniciados. Assim sendo, veremos como corre amanhã. 

Comecei o segundo dia a ler o livro Quando Éramos Mentirosos. 
Livro 4 - Quando Éramos Mentirosos de E. Lockhart
10:00h - 12:00h → Cheguei à página 92 (92 páginas). 
Páginas lidas até ao momento: 376
Livros terminados: 3
12:00h - 14:00h → Cheguei à página 190 (98 páginas). 
Páginas lidas até ao momento: 474
Livros terminados: 3
14:00h - 16:00h → Cheguei à página 302 (112 páginas). 
Páginas lidas até ao momento: 586
Livros terminados: 3
Livro 5 - Can You Keep a Secret? da Sophie Kinsella
16:00h - 18:00h → Cheguei à página 310 (8 páginas) e terminei o livro. Pegue então no livro Can You Keep a Secret onde já tinha lido até à página 48 e li até à 60 (12 páginas).  
Páginas lidas até ao momento: 606
Livros terminados: 4
18:00h - 20:00h → Cheguei à página 108 (48 páginas).  
Páginas lidas até ao momento: 654
Livros terminados: 4
16:00h - 18:00h → Cheguei à página 165 (57 páginas)
Páginas lidas até ao momento: 711
Livros terminados: 4
Terminei assim a maratona com um total de 711 páginas lidas, distribuídas por 3 livros que já tinha iniciado e que acabei durante a maratona, um livro que iniciei e terminei durante a maratona e ainda outro que já tinha iniciado e do qual li mais de cem páginas. Em geral, estou bastante feliz com o resultado. Mais uma vez o grande obrigada às duas incríveis raparigas que se juntaram a mim neste desafio e não se esqueçam de ver o post da Mermaid Reader e de ver os updates da @annesophie99 no seu goodreas. Boas leituras

domingo, 24 de dezembro de 2017

Irmandade - Opinião (Book Review)

Irmandade

Nome do livro: Irmandade
Nome da Autora: Mariza Martins
Coleção: Irmandade
Editora: Chiado Editora
Número de páginas: 425 páginas
Sinopse: «"Quem me dera que ele me tivesse morto. Seria tudo tão mais fácil. Todavia, não morri, por isso, irei algum dia renascer das cinzas?"
Jade conquistou uma segunda oportunidade; uma nova vida, obrigando-a a integrar uma comunidade secreta residente na Ilha de Skye, cujas verdadeiras origens remontam à constelação de Draco. Rebelde e de espírito livre, Jade é confrontada com os demónios do seu passado, com as emoções do seu presente e com os perigos que ameaçam o seu futuro, assim como o de toda a comunidade.
Irmandade é um Romance Fantástico que alia aventura, romance e misticismo, abordando o poder do amor-próprio, a busca pela felicidade e pela liberdade. Entra neste mundo fantástico, pois a Irmandade e os segredos que nela se escondem esperam por ti!»

Pela primeira vez na minha vida, tive a incrível oportunidade de ler um livro enquanto o comentava com a autora e isso foi, sem dúvida nenhuma, uma experiência fantástica. 
Em Irmandade seguimos Jade, uma rapariga com um passado perturbado e que, um dia, sem ela própria saber bem o que está acontecer, se transforma em dragão e acaba por integrar uma comunidade secreta onde esta espécie vive. Nessa mesma comunidade, ela deve procurar fortalecer-se enquanto dragão, perceber verdadeiramente o seu propósito e ajudar a proteger a sua própria espécie. No entanto, o peso do seu passado nunca a abandona verdadeiramente. 
Como referi anteriormente, tive uma incrível experiência de leitura em grande parte porque li com a fantástica @writer_gabby e, por outro lado, porque tive a oportunidade de ir comentando com a autora o que estava a acontecer. O melhor de tudo é que qualquer pessoa pode ter esta mesma experiência, enviando mensagem para o instagram da autora (@mariza_martins_autora) que é uma querida e adora saber o que os leitores estão a achar.
Fonte do desenho
Relativamente à história em si, esta é, sem dúvida nenhuma, daquelas que começam bem e que só melhoram, além de que decorre num mundo extremamente bem construído. A ação iniciasse de uma maneira bastante chocante e inesperada, o que foi um ponto positivo. No entanto, senti que tudo acabou por passar demasiado depressa no início: somos colocados na história e, quando reparamos, já estamos na Ilha de Skye, onde vivem os dragões, sem nunca nos serem explicados os poderes da personagem principal ou a forma como ela vivia quando o livro se inicia, e é esta a parte em que considero que a autora a poderia ter explorado melhor.
No entanto, a partir deste problema, a autora vai acabar por explorar todos os acontecimentos de uma forma incrível e viciante e a história flui muito bem.
Relativamente às personagens, só tenho a dizer que são fantásticas. Todas são necessárias e as principais são muito engraçadas e cativantes, assim como é explorada uma amizade muito boa entre as personagens.
Por último só posso referir que temos momentos verdadeiramente inesperadas e uma ação muito bem escrita, que culmina com um final de arrepiar.
Assim sendo, as personagens incríveis, a história em si e o mundo criado conquistaram-me sem problemas, havendo apenas a ressalva do problema que senti no início do livro. Vai haver um segundo livro e acredito que vá conseguir ser ainda melhor que este e eu mal posso esperar.
Obviamente que é um livro que recomendo muito e um grande obrigada à autora pela oportunidade.
Boas leituras.
(4 em 5 estrelas)

  • «Existem determinadas circunstâncias na vida que nos conseguem realmente destruir. Têm esse poder; os outros têm o poder de nos desfazer. Num momento, sabemos quem somos e o que queremos e, no minuto seguinte, puf, tudo esmorece e escurece. Já não somos nada, não temos nada. Tudo nos é retirado» - Página 415/416

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

There You'll Find Me - Opinião (Book Review)


If you can't read this in english, please click on the title of the post and try again

 Ler em Português      Read in English

There You'll Find Me

Nome do livro: There You'll Find Me
(Sem edição em português)
Nome da Autora: Jenny B. Jones
Editora: Thomas Nelson
Número de páginas: 307 páginas
Sinopse: «Grief brought Finley to Ireland. Love will lead her home.Finley Sinclair is not your typical eighteen-year-old. She's witty, tough, and driven. With an upcoming interview at the Manhattan music conservatory, Finley needs to compose her audition piece. But her creativity disappeared with the death of her older brother, Will.She decides to study abroad in Ireland so she can follow Will's travel journal. It's the place he felt closest to God, and she's hopeful being there will help her make peace over losing him. So she agrees to an exchange program and boards the plane.Beckett Rush, teen heartthrob and Hollywood bad boy, is flying to Ireland to finish filming his latest vampire movie. On the flight, he meets Finley. She's the one girl who seems immune to his charm. Undeterred, Beckett convinces her to be his assistant in exchange for his help as a tour guide.Once in Ireland, Finley starts to break down. The loss of her brother and the pressure of school, her audition, and whatever it is that is happening between her and Beckett, leads her to a new and dangerous vice. When is God going to show up for her in this emerald paradise?Then she experiences something that radically changes her perspective on life. Could it be God convincing her that everything she's been looking for has been with her all along?»

Enquanto participava numa maratona literária, surgiu o desafio de ler um livro que se passasse no sítio que mais queres visitar. No meu caso, é, sem dúvida nenhuma, a Irlanda. Logo, pesquisei livros que decorressem neste incrível país e foi assim que descobri There You'll Find Me.
No livro acompanhamos Finley Sinclair, uma rapariga traumatizada pela morte do seu irmão que a impede de completar uma peça musical que ela planeava utilizar na sua audição para o Conservatório de Música de Manhattan. Devido a este bloqueio criativo, ela decide viajar para a Irlanda onde o seu irmão se sentiu mais perto de Deus. Na viagem, ela conhece Beckett Rush, um ator com quem ela acaba por desenvolver uma ótima amizade.
Fonte do fundo
Primeiro de tudo sinto que tenho que dizer que não sou a pessoa mais crente do mundo, e, mesmo assim, gostei bastante de todo este percurso de descoberta de Deus que temos pela personagem principal. 
O meu início com o livro poderia ter sido melhor uma vez que, ao fim de umas 20 páginas, temos aquele momento típico em romances em que a personagem masculina olha para a feminina e ela já está a corar, e eu já estou um bocado farta desses momentos. 
No entanto, rapidamente me apaixonei por ambas as personagens principais, especialmente a Finley que tem um humor fantástico e que acaba por dar um toque mais leve ao livro no meio de tantos temas complicados, apesar de que houveram momentos em que ela acabou por me irritar um pouco.
Contrariamente à grande maioria dos romances que li até hoje, neste temos verdadeiramente momentos surpreendentes. 
Como podem perceber pela premissa, temos muito presente neste livro a morte do irmão da personagem principal, consequentemente, o livro acaba por explorar temáticas mais pesadas e complexas.  
Exatamente por este motivo, também o final acaba por ser mais pesado. No entanto, foi muito bem construído. 
Em geral, e mesmo tendo temáticas tão pesadas, o livro é incrível e acaba por fazer o leitor verdadeiramente pensar nas coisas e foi, sem dúvida nenhuma, uma leitura que gostei bastante. Por esse motivo, recomendo muito, mesmo para aqueles que não acreditam em nenhum tipo de Deus. 
Boas leituras.
(4 em 5 estrelas)

«Maybe you should stop going by what you feel. And star going by what you know is truth.» - Página 197